quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Vergonha!!!

Adios
Nunca vamos crescer assim!! Leiam isso em
Vergonha Nacional!!

Conferência em Registro sobre Petróleo e gás!


petrobrcursos.com.br
A empresa PETROBR fará uma conferência e um circuito de palestras, no salão de conferências do Hotel Lito Palace. As palestras, serão iniciadas às 17 e terão término às 22h. A empresa, tem como meta estabelecer turmas para capacitação em Auxiliar de plataforma de petróleo e Logística Portuária, com duzentas vagas iniciais! Gratuitas, as palestras serão interessantes para quem deseja ingressar nesta área em expansão, devido a plataforma que será estabelecida em Peruíbe! Menores, deverão comparecer ao local acompanhado de maior responsável! Vale a pena conferir!

Visitem o site da empresa PETROBR

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Família B!

Situa-se no centro da tabela e os elementos dessa família, concluem sua distribuição no subnível d!
Realizada a distribuição, vocês devem seguir o mesmo roteiro:

- Camadas eletrônicas - Período
- Soma do último subnível s com d - Família

Atentar, que para efeito de ajuste, há uma família que compreende três colunas: A família VIII B!

4 camadas - Quarto período
Somando último s -2 com o último d -6 = 8 - portanto família VIIIB!
Seguindo esse roteiro, não há erro!

Repito: Dúvidas, postem no mural!!!

Vaga de atendente!

Vaga de emprego

Shows da Ilha Verão para 2012!

Ilha Verão
E a nossa EXPOVALE....Affe!!!!!!!

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Deputado Samuel Moreira garante cerca de R$ 2 milhões para 17 municípios !

Em solenidade no Palácio dos Bandeirantes, na tarde desta segunda-feira, 26 de novembro, o governador Geraldo Alckmin assinou 900 convênios com 384 municípios paulistas, liberando cerca de R$ 200 milhões para investimentos nas áreas da saúde, social, infraestrutura urbana, cultura, Defesa Civil e para entidades assistenciais.

Entre as prefeituras beneficiadas, 17 delas conquistaram a verba graças à articulação do deputado estadual Samuel Moreira. São municípios do Vale do RibeiraVale do Paraíba, Litoral SulLitoral Norte e da região sudoeste do estado. No total, os recursos liberados por intermédio do deputado Samuel Moreirasomam R$ 1,99 milhão. Veja relação abaixo:
Vale do Ribeira

  1. Apiaí - R$ 155 mil para reforma do campo do bairro Cordeirópolis
  2. Barra do Turvo – R$ 90 mil para compra de ambulância
  3. Iguape – R$ 90 mil para compra de ambulância
  4. Iporanga – R$ 90 mil para compra de ambulância
  5. Juquiá – R$ 45 mil para compra de veículo para a área social
  6. Juquitiba – R$ 75 mil para compra de Van para a área social
  7. Miracatu - R$ 200 mil para obras de infraestrutura no entorno da rodoviária e R$ 50 mil para a Associação Beneficente dos Idosos
  8. Pedro de Toledo – R$ 90 mil para compra de ambulância

Vale do Paraíba e Litoral Norte

  1. Aparecida - R$ 100 mil para a aquisição de caminhão pequeno
  2. Silveiras – R$ 75 mil para compra de Van para transporte de pacientes
  3. Caraguatatuba – R$ 370 mil para obras de infraestrutura viária (dois convênios, de R$ 200 mil + R$ 170 mil)

Sudoeste Paulista
  1. Taquarituba - R$ 100 mil para a APAE
  2. Itaporanga – R$ 60 mil para a APAE
  3. Itaberá – R$ 80 mil para a Associação Assistencial Mei Mei
  4. Ipaussu – R$ 155 mil para infraestrutura urbana
  5. Chavantes - R$ 75 mil para compra de Van
Litoral Sul
Monguaguá – R$ 90 mil para compra de ambulância
Samuel Moreira

Classificação Periódica! - Família A!

A classificação periódica para família A, é simples, você deve saber apenas dois itens para a compreensão:
- Primeiro) Distribuição eletrônica;
-Segundo) Organização periódica.

Distribuídos os elétrons do átomo, você deve atentar a terminologia:

Tabela
Os elementos terminados em s, lado direito, p, lado esquerdo. Realizada a distribuição, você deve verificar, quantas camadas e quantos elétrons há na última. Isso dará a designação do período(Linhas horizontais) e família (linhs verticais).Observe esxemplo abaixo:
sódio


O sódio possui três camadas - Portanto ele está no TERCEIRO PERÍODO!
Na última camada, ele possui um elétron e conclui com subnível s, portanto FAMÍLIA IA!
Dessa forma, fazemos a leitura e localizamos os elementos na tabela! Até mais, dúvidas, postem em mural!Amanhã dou dicas da família B!

O Universo e a Idade!


À todos os meus alunos guerreiros, que lutam e estão conquistando aos poucos seu espaço na nova jornada da vida que os aguarda, de forma lúcida e com perseverança! Parabéns! Este é dedicado a vocês!

 

O Universo...e a Idade!

 

“Carpe Diem, meus caros...uma nova aurora não tardarás...”

A vida de forma descompassada urge...Logo, nada restarás!

Galguem novos ares, planem, voem, sintam-se livres para escolher!

O futuro a Deus pertence....está sendo traçada a linha...nada de esmorecer!

A vida escolar é o momento mais sublime, o qual dividimos anseios...

Medos, alegrias, temperança, forjamos amizades, criamos nossos meios...

Logo, toda a euforia...virará pó! Cada um trilhará seu caminho e destino...

A vida nos torna individualistas....mas não há motivo para desatino...

Amizades sinceras e honestas, não se desfazem na evolução temporal...

Amigos de verdade, não esquecem uns aos outros...há o amor fraternal...

O momento de escolhas, surge intrinsecamente, na adolescência tardia...

Escolher uma profissão numa vasta gama de opções...é desleal...

Mas calma...tudo ao seu tempo...Não esmoreça...A luta não é abissal...

Acredite em seu potencial, na sua capacidade...afinal...És o que queres...

Lutando, nem que pela milésima vez....Não é possível que erres...

Para alguns, o caminho não esbarra nas amuradas gigantescas da vida...

Para outros, a luta é grotesca...Mas, a vitória é mais saboreada se sofrida...

Nós, apostamos nossas fichas em vocês...Acredito em nosso trabalho...

Mas por mais que o Universo conspire contra...A juventude é perspicaz...

Lutem com unhas e dentes, não desistam dos sonhos...seja tenaz....

Superação, esta é a palavra....Façam dela o seu templo...seu relicário...

Parabéns a todos e todas por serem quem sois.... Vitória eminente...

Obrigado pela convivência e crédito...Não se esqueçam....somos amigos!

Amigos reais, nunca estão ausentes!

Que o criador os ilumine e traga muita paz a todos os corações!

O sentimento de orgulho é real....lutem e perseverem...Essas são minhas emanações!
 
Ronaldo Camillo Rigante - Novembro de 2012
 

 

Fuvest divulga gabarito e cadernos de prova da primeira fase do vestibular 2013

Confiram galera! Boa sorte!

UOL EDUCAÇÃO!

Universidades públicas de SP irão propor cotas de 50%!

Calamidade pública! Olhem e isso e tenham vergonha de serem brasileiros!
As três universidades públicas paulistas, USP, Unesp e Unicamp, fecharam na quinta-feira (22) proposta que será apresentada nesta semana ao governador Geraldo Alckmin para adoção de um programa de cotas que destinará 50% das vagas a alunos que cursaram integralmente o ensino médio em escolas públicas. O objetivo é igualar os porcentuais estabelecidos pelo governo Dilma Rousseff para as universidades federais na Lei de Cotas.

Leiam tudo em UOL EDUCAÇÃO!

domingo, 25 de novembro de 2012

Correção da primeira fase da FUVEST!

A primeira fase do vestibular 2013 da Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular), que seleciona alunos para a USP (Universidade de São Paulo) e para a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa, acontece neste domingo (25), às 13h - os portões serão abertos às 12h30. A partir das 19h, o UOL Vestibular terá a correção comentada da prova, feita pelos professores do Curso e Colégio Objetivo.

Segundo a organização do concurso, os candidatos devem chegar ao local de prova com antecedência. Os portões serão abertos às 12h30 e fechados às 13h - não será permitida a entrada de candidatos após esse horário. Os vestibulandos que irão realizar o exame na região de Santo Amaro devem ficar atentos aos desvios no trânsito por conta da Fórmula 1, no autódromo de Interlagos (zona sul de São Paulo).
Estão inscritos 159.609 candidatos, que disputam 11.082 vagas, sendo 10.982 de cursos da USP e 100 da Medicina da Santa Casa.

Acessem UOL EDUCAÇÃO!

sábado, 24 de novembro de 2012

Inquietude!


Inquietude

Nada está bom! Estamos sempre em busca de um ideal

Que preencha o vazio que há por dentro

Não nos conformamos com apenas com o real

Nosso espírito foi concebido de forma sonhadora

Acreditamos  no que podemos ter e ser

Vivos buscamos sempre ascensão

E às vezes sonhamos com que não podemos nem ver

Infelizmente o espírito humano não se contenta com pouco

O vazio d’alma deve ser constantemente preenchido

Muitas vezes almejamos mais....tornamo-nos loucos

Não conseguimos lidar com sonhos não concebidos

Seja quem tu és! Conforme-se com o que está ao seu alcance...

Galgar andares superiores, às vezes é algo irreal...

Mas isso não significa que devas ser estanque

Lute pelos seus ideais....Mas de forma honesta

Acredite, trabalhe, estude,almeje que conseguirás..

A recompensa de Deus chega....não tenha pressa!

Ronaldo Camillo Rigante  - Novembro de 2012

Cocaína é a droga ideal para quem quer um ataque cardíaco, mesmo se usada uma vez ao mês!

Segundo um novo estudo da Universidade de Sydney (Austrália), usuários de cocaína, mesmo que só utilizem a droga uma vez ao mês, correm um risco muito maior de sofrer uma parada cardíaca do que as pessoas que não usam a droga.

Usuários de cocaína têm pressão arterial mais elevada, artérias mais rígidas e paredes mais espessas no músculo do coração do que não usuários, todos fatores de risco que podem causar um ataque cardíaco.

A pesquisa


Os pesquisadores usaram imagens de ressonância magnética para medir os efeitos da droga em 20 adultos saudáveis que usaram “cronicamente” a substância ilegal.

Eram 17 homens e 3 mulheres, com idade média de 37 anos, que relataram o uso de cocaína pelo menos uma vez por mês durante o ano anterior à pesquisa. Eles preencheram questionários que descreviam seus hábitos, fatores de risco cardiovascular e nível socioeconômico.

Pelo menos 48 horas após seu último uso de cocaína, os voluntários tiveram sua pressão arterial medida e passaram por exames de ressonância magnética cardíaca.

Em comparação com 20 não usuários, os que haviam abusado da cocaína tinham maiores taxas de múltiplos fatores associados com o aumento do risco de ataque cardíaco e de acidente vascular cerebral (derrame).
Por exemplo, os usuários tinham 30 a 35% mais rigidez da aorta, um aumento da pressão arterial e 18% mais espessura da parede do ventrículo esquerdo do coração.

Os efeitos combinados de maior coagulação do sangue, maior estresse no coração e aumento da constrição dos vasos sanguíneos colocam os usuários em um alto risco de ataque cardíaco espontâneo.

“Estamos repetidamente vendo jovens, indivíduos aptos, sofrerem ataques cardíacos fulminantes relacionados ao uso de cocaína”, diz a Dra. Gemma Figtree, pesquisadora do estudo. “Eles não têm conhecimento das consequências para a saúde de se usar regularmente cocaína. É a droga perfeita para um ataque cardíaco”, conclui.

Hype Science

Distribuição eletrônica!




Os elétrons, seguem uma ordem convencional de distribuição eletrônica por camadas! A ordem dos subníveis, segue a ordem proposta acima, de cima para baixo, mas vale atentar, que os números maiores indicam as camadas de disposição de elétrons ! Seguindo essa ordem, não há como errar! No vestibular, ENEM, ou afins, desenhar o diagrama na folha, antes de iniciar os exercícios de Química, é algo que auxilia no desenvolvimento. Os elétrons, representados pelas letras, são como "baldes", que permitem quantidades pré-expressas, porém não podem ser excedidos! O s comporta 2, o p comporta 6, o d 10 e o f comporta 14 elétrons! Não tem erro! Seguindo isso é só treinar! Outras dúvidas, ou sugestões de explicação, entrem em contato em mural, ou comentem!
Link para treino

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Onde estás?


Onde estás?

“Onde estás à alegria e a soberba?

Outrora passastes por aqui...simbora...

Quiçá fostes a natureza....

Ou, quem sabes, voltarás outrora!”

 

Penso assim, a respeito dos despeitados...

Que acreditam estar acima do bem e do mal...

Triste infâmia! Digno de dó os desajustados...

Pois o orgulho em excesso..atinge a moral!

 

Bem aventurados os homens de fé...

Que hão de herdar o reino dos céus..

Quem acredita...sábio o é...

Não proferes nem maldiz ao léu...

 

Sois pó...pó o será no final...

Então, porque tamanha altivez insensata?

Não percebes que chegas ao cúmulo de seres imoral?

Ou é incapaz de ser humilde de maneira inata?

 

Feliz sois...povo que satisfaz a alma com Deus...

Não devemos sobrepor o ego acima da humanidade...

Com certeza..Deus velará pelos teus...

Pois na vida...Devemos comungar sempre em igualdade...

 

Ronaldo Camillo Rigante    - Novembro de 2012
 
 

Para alunos e colegas professores!

Cursos On line de Graça, oferecidos pelo SENAI E SESI! Para saber sobre, acessem:

Balanceamento Químico!

Olá! A postagem de hoje é sobre balanceamento pelo método de tentativas! Em primeiro lugar, vocês devem atentar a ordem primária, que é iniciar o balanceamento por: 1º) Metais - 2º) Não Metais - 3º) Hidrogênio- 4º) Oxigênio.
Após isso, o balanceamento busca a proporcionalidade de elementos em relação ao reagente e ao produto!
Em uma reação química os números colocados antes da fórmula de cada substância, seja reagente ou produto, são chamados de coeficientes estequiométricos ou simplesmente, coeficientes. Estes informam a proporção entre as quantidades em mols dos participantes de uma dada reação química. Os números em vermelhos,são os coeficientes, e indicam que para se forma uma molécula de água é necessário se ter 1 molécula de Hidrogênio (1 H2) e meia molécula de Oxigênio (1/2 O2 ) Quando escrevemos uma equação química, ela deve estar corretamente balanceada, ou seja, os coeficientes devem estar corretamente indicados. Caso contrário, não estará observando o fato de os átomos se conservarem e com a proporção errada a reação não ocorrerá. O balanceamento por esta técnica deve ser treinado exaustivamente, para que você consiga assimilá-lo! Boa tentativa e bom trabalho! Neste link, você pode exercitar sua prática!


água

Impactos ambientais sobre o rio Turma D - Alunos Cajati

Dicas de Química

Olá Amigos! Criei e estou formatando esta aba, onde todos os dias, se possível, postarei dicas de Química e curiosidades! Um abraço...

Parabéns alunos e Equipe!

ESA

Aos alunos dos terceiros anos de Cajati e Pariquera!

Reportagem Completa sobre radiação e os seus efeitos! Revista Época

 

O círculo rubro que domina a bandeira do Japão representa o Sol. Seu desenho, chamado de Hinomaru (disco solar) pelos japoneses, surgiu como flâmula de samurais no século XVI e está desde então entranhado na cultura e na imagem do país. O Hinomaru também pode ser visto como uma referência à tecnologia que ajudou a transformar o Japão em uma das maiores potências do planeta – mas que agora representa uma ameaça. Nosso Sol, como qualquer estrela do Universo, é um colossal reator nuclear. Em seu núcleo gasoso, a força gravitacional esmaga átomos de hidrogênio, que se rompem, gerando energia e formando átomos de hélio. A reação emite uma imensa quantidade de energia, principalmente na forma de luz e calor, que sustenta a vida na Terra. É uma reação de fusão nuclear. Bela, limpa e eficiente.
A versão humana dessa reação é menos perfeita. Desde o início do século passado, quando o avanço da física permitiu entender o que se passa no núcleo dos átomos, a ambição dos humanos é usar a força atômica para gerar energia (nos casos pacíficos) ou detonar bombas (na versão belicosa). Por enquanto, tudo o que conseguimos foi reproduzir, no interior de reatores nucleares, uma reação mais suja, de fissão nuclear. Em nossas usinas, átomos de urânio se quebram, gerando energia, mas também material altamente tóxico. Além de imperfeito, o processo é arriscado, como demonstrou o acidente na usina nuclear de Fukushima 1 (Fukushima Daiichi, em japonês), em Okuma, uma cidade de pouco mais de 10 mil habitantes. Atingidos por um terremoto e um tsunami, os reatores da usina des-pertaram o pesadelo nuclear. E reacenderam no resto do planeta o temor que parecia ter ficado para trás desde o desastre em Chernobyl, nos anos 80.
O colapso na usina de Fukushima não foi causado pelo terremoto – embora o tremor tenha atingido assombrosos 9 graus na escala Richter. O problema começou porque o terremoto cortou as linhas de energia que mantinham ligado o sistema de refrigeração dos reatores. Dentro dessas enormes câmeras de concreto, o combustível nuclear fica mergulhado em piscinas, que ajudam a diminuir o calor. Para casos como esse, as usinas contam com um segundo sistema de refrigeração, movido por geradores a diesel. Mas em Fukushima esses geradores estavam em uma área baixa e foram inundados pelo tsunami, a onda gigante provocada pelo terremoto. A água que envolvia o combustível nuclear esquentou a ponto de começar a evaporar. A pressão nos reatores aumentou, causando explosões que destruíram o telhado dos prédios onde eles ficam.
Sem água, as barras de metal que contêm o combustível radioativo podem derreter e deixar parte do material nuclear exposto. Os técnicos da Tepco, empresa responsável pela usina, acreditam que isso tenha acontecido em pelo menos dois dos seis reatores de Fukushima. No reator 1, parte da água do núcleo parece ter evaporado e causado o derretimento parcial das varetas de metal que guardam o urânio, o combustível nuclear. No reator 2, o caso seria ainda mais grave: o derretimento do combustível teria causado uma explosão capaz de danificar o concreto que reveste o reator. Isso aumentaria as chances de uma grande explosão, que liberaria para o ambiente parte do combustível altamente radioativo. Nos reatores 3 e 4 aconteceu algo semelhante, mas nas piscinas que guardam as varetas de combustível já usadas. Elas preocupam ainda mais. Gregory Jaczko, presidente da Comissão Regulatória Nuclear dos Estados Unidos, disse ter informações de que, no reator 4, a água da piscina de combustível usado teria evaporado completamente, deixando o material suscetível à explosão. Na dramática tentativa de controlar o desastre, uma equipe de 50 a 100 técnicos da Tepco tenta salvar Fukushima. Já chamados de camicases modernos, eles estão expostos a doses de radiação que podem levá-los à morte em questão de meses.
Cerca de 140 mil pessoas foram retiradas de um raio de 30 quilômetros em torno da usina. O governo americano aconselhou seus cidadãos a ficar a mais de 80 quilômetros dela. No dia 14, níveis de radioatividade dobraram em Tóquio, a 220 quilômetros ao sul da usina (embora ainda sem representar risco à saúde). A população da cidade começou a fugir para Osaka, mais ao sul. Até a tarde da sexta-feira, a situação ainda era grave. Na pior das hipóteses, o núcleo de um ou mais reatores pode derreter e vazar para fora das paredes de contenção. A única comparação possível é com Chernobyl, na Ucrânia, em 1986. Lá, a nuvem radioativa foi até 500 quilômetros, causando possível aumento nas taxas de câncer. Uma área de 4.300 quilômetros quadrados (quase três cidades de São Paulo) está inabitada há décadas. Especialistas acreditam que o estrago no Japão seria menor porque os reatores de Fukushima têm camadas de contenção. No melhor dos casos, mesmo que os técnicos consigam controlar a temperatura nos reatores, eles continuarão inutilizados. Constituirão um incômodo monumento ao risco nuclear.
               
O Japão, um dos países mais confiantes nas possibilidades da energia nuclear, virou agora também um dos que mais a temem. Retornou o fantasma dos horrores das bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki, em 1945. Na semana passada, os veículos de comunicação davam orientações para evitar o material radioativo que podia estar disperso no ar. Ao sair às ruas, o conselho era cobrir o máximo de pele possível, com luvas, cachecol e gorros. Um pano úmido deveria ir junto com a más-cara antigripe, no rosto. O problema é seguir essas ordens em um lugar devastado. Muitas cidades estão sem água, luz e gás. Muita gente que não mora na área evacuada deixou suas casas, com medo de não dar tempo de sair se o raio do perigo aumentar. “Com a falta de combustível em toda a região, as famílias vão enchendo o tanque de pouco em pouco e procurando abrigos cada vez mais distantes”, diz a taxista Yasuko Sato, de Yamagata, a 110 quilômetros da usina.
A simpatia pelos japoneses – e a apreensão em relação à energia nuclear – se espalhou pelo mundo, justamente no momento histórico em que a fusão de átomos fortalecia-se como alternativa num mundo preocupado com o aquecimento global. A história da energia nuclear pode ser entendida como um pêndulo. No início do século XX, ela era uma utopia. No final da Segunda Guerra Mundial, representou o horror das bombas. Nos anos 70, no auge da cultura tecnicista (e em meio à grande crise política do petróleo), foi saudada como a solução limpa e barata de que o mundo precisava. Os países desenvolvidos construíam 20 usinas por ano. Até que uma sequência de acidentes graves congelou a indústria nos anos 80. O ativismo antinuclear atingiu seu ápice, e ela parecia fadada à extinção. Mas, nos últimos dez anos, voltou como esperança para livrar o mundo (de novo) da dependência do petróleo. Desta vez, com o apoio até de alguns ambientalistas históricos, por não emitir gases responsáveis pelas mudanças climáticas. O americano Patrick Moore, um dos fundadores do Greenpeace, se tornou porta-voz da indústria nuclear dos Estados Unidos. O ecologista britânico James Lovelock, que considera a Terra um organismo vivo, também apoia. “Não temos tempo para experimentar fontes visionárias de energia”, diz. Essa retomada pode estar em xeque de novo.
Com o acidente no Japão, muitos países voltaram a olhar com preocupação as usinas atômicas em seus quintais. A Suíça decidiu suspender as reformas das usinas atuais, que prolongariam seu funcionamento. A chanceler alemã, Angela Merkel, ordenou o desligamento total de sete usinas nucleares que funcionam há mais de duas décadas no país, bem como um abandono gradual da energia atômi-ca. A União Europeia (UE) diz que vai testar a resistência de suas centrais nucleares a terremotos, tsunamis ou atentados terroristas. Os 27 países membros do bloco prometeram discutir o fechamento das usinas mais antigas. Segundo o comissário da UE, Günther Oettinger, depois do acidente japonês o bloco pensará duas vezes antes de planejar qualquer expansão nuclear.
       
REFUGIADOS
Um soldado mede o nível de contaminação de uma criança em Ishinomaki, a 110 km da usina nuclear com problemas. Cerca de 140 mil pessoas foram retiradas de casa
Outros países, no entanto, foram mais ambíguos. A China anunciou que vai suspender, por enquanto, a construção de 27 reatores. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que o país freará os investimentos no setor. Afirmou que as 104 usinas do país foram projetadas para resistir “às condições mais extremas”, mas pediu “uma revisão exaustiva” dos projetos. O país tem reatores em áreas também sujeitas a terremotos e tsunamis, na Califórnia. Apesar disso, tanto o Congresso americano quanto a Casa Branca acreditam que os EUA precisam investir em energia nuclear. A Índia também solicitou a revisão dos sistemas de segurança de suas usinas, mas sem suspender investimentos.
O mundo pós-Fukushima não será homogêneo, e a energia nuclear provavelmente continuará prosperando em outras regiões. O primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk, afirmou que vai manter o plano de dois novos reatores, dizendo que o país não tem atividade sísmica. A Rússia, que planeja dez novos reatores, minimizou a ameaça. A companhia russa Rosatom é uma das maiores fornecedoras de tecnologia nuclear do mundo. A França ainda aproveitou o acidente japonês para vender sua própria tecnologia. Diante da crise em Fukushima, o presidente Nicolas Sarkozy disse que “as usinas francesas são mais caras porque são mais seguras”. Os russos, grandes exportadores da tecnologia, continuam conquistando parceiros. Seu mais novo cliente é a Turquia, que planeja construir duas centrais nucleares.
No Brasil, o desastre japonês parece não ter abalado as ambições nucleares do governo. O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse que o programa brasileiro não vai mudar. Nem mesmo haverá revisão dos sistemas de segurança das usinas de Angra 1 e 2, no litoral do Rio de Janeiro. Aluizio Mercadante, da Ciência e Tecnologia, afirmou que vai manter o ritmo de construção de Angra 3 e os planos de expansão nuclear. Segundo Odair Dias Gonçalves, presidente da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), as usinas de Angra estão preparadas para enchentes e longe de áreas vulneráveis a desabamentos. Situadas 6 metros acima do nível do mar, estariam imunes a inundações. “Elas são projetadas para resistir a tornados e furacões e suportar terremotos de até 6,5 graus na escala Richter e ondas de até 7 metros.” Segundo a Eletronuclear, estatal responsável pelas usinas, os reatores brasileiros são projetados para resfriar sem bombeamento de água por motores elétricos, como os que falharam em Fukushima. A CNEN e a Eletronuclear pretendem construir quatro novas usinas no Nordeste. Elas não ficarão no litoral, porque o solo lá é poroso e não suportaria o peso das instalações.
               
Apesar da certeza das autoridades, as vozes críticas brasileiras ganharam força. “A afirmação do ministro Lobão não passa de uma patriotada”, diz o físico gaúcho José Goldemberg, de 82 anos, ex-ministro da Ciência e Tecnologia e ex-reitor da Universidade de São Paulo. Para ele, o Brasil deveria seguir o exemplo alemão e desligar gradualmente as usinas. O físico Luiz Pinguelli, diretor da Coor-denação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia da UFRJ, defende a interrupção do programa nuclear brasileiro. O ex-ministro do Meio Ambiente do governo Lula Carlos Minc, atual secretário do Meio Ambiente do Rio de Janeiro, diz que os riscos de acidente não compensam a implantação de novas unidades. “O Brasil precisa redimensionar o programa nuclear porque o sistema de segurança não foi equacionado e temos outras opções como a energia eólica, biomassa e luz solar.” O Brasil é um caso excepcional no quadro nuclear global porque dispõe de outras fontes de energia em abundância. Mas não é claro se as pressões bastarão para mudar a direção do governo.
A insistência na energia nuclear tem alguns motivos. O principal deles é que, apesar do risco de acidentes, os reatores oferecem outro tipo de segurança, mais valiosa para quem precisa abastecer cidades e indústrias. Eles produzem dia e noite, quaisquer que sejam as condições do vento, da incidência de sol, dos regimes de chuva. Também não dependem de petróleo importado de países instáveis. E, em condições normais de funcionamento, as usinas não poluem. A China estima que os riscos nucleares são pequenos ante as 350 mil mortes por ano atribuídas a problemas respiratórios causados pela fumaça do carvão. Há outra razão: é nas usinas nucleares que se produz o material necessário para construir bombas atômicas.
               
A evolução da tecnologia nuclear é marcada, desde seus primeiros passos, pela alternância entre a esperança e a descoberta desastrosa de perigos insuspeitados. A física e química polonesa Marie Curie, que praticamente descobriu a radioatividade, desenvolveu os primórdios da radioterapia, mas não sabia que podia se contaminar no laboratório. Morreu disso. De lá para cá, os empreendedores nucleares tentam aprender com os erros. Foram quatro acidentes graves com reatores. Cada um deles causado por um problema antes desconhecido (leia o quadro abaixo). Alguns duvidam que seja possível criar uma usina infalível. Para o sociólogo Charles Perrow, da Universidade Yale, nos EUA, os reatores são sistemas complexos que, nas raras situações de emergência, geram desdobramentos rápidos demais para ser dominados por operadores humanos. Há centenas de milhares de peças e partes móveis numa usina. O antropólogo americano Hugh Gusterson, da Universidade George Mason, especialista em segurança nuclear, diz que o reator perfeito está sempre a um passo de distância.
Os reatores são perigosos pela natureza de sua operação. A reação de fissão nuclear começa quando um nêutron, uma partícula subatômica, é absorvido por um átomo de urânio. Isso muda a estrutura do urânio. Ele fica tremendamente instável e instantaneamente explode, liberando energia, radiação e mais nêutrons. Para evitar que os novos nêutrons iniciem uma reação em cadeia (como na bomba a-tômica), o reator fica imerso em água destilada. Além de resfriar o reator, a água absorve a maioria dos nêutrons. O grande desafio é projetar sistemas de resfria-mento eficazes e seguros.
Cerca de 80% das usinas no planeta, incluindo Fukushima e Angra, usam água destilada para estabilizar a reação nuclear no reator. Os novos projetos de reatores, que talvez entrem em operação após 2030, substituem a água por moderadores tão exóticos como sódio (ou sal) ou chumbo derretidos. Como o sódio e o chumbo barram totalmente a radiação, um reator envolto numa “lava” de sal ou chumbo jamais emitiria radioatividade para o meio ambiente. A dificuldade é encontrar um jeito de montar uma estrutura capaz de conter essas substâncias.
O governo brasileiro diz que vai manter as obras de Angra 3 e construir4 novas usinas
Apesar das inovações de projeto, o desastre em Fukushima mostra que, mesmo com todos os cuidados imagináveis, qualquer usina pode virar uma tragédia por uma causa impensável. Pode ser um problema técnico imprevisto, uma falha geológica não ainda detectada ou subestimada, talvez alguma sabotagem de grupos criminosos ou terroristas. Ou então a falha sistemática nos sistemas de regulação. Como pode ter acontecido em Fukushima. Segundo reportagem do jornal britânico The Daily Telegraph, um telegrama oficial do serviço diplomático dos EUA, obtido pelo site WikiLeaks, mostra que o governo do Japão havia sido avisado pela Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea), em dezembro de 2008, de que os planos de segurança para algumas de suas usinas nucleares estavam desatualizados.

Para complicar, os investimentos em segurança tendem a ser limitados pela viabilidade econômica. Após os ataques terroristas em 11 de setembro de 2001, autoridades finlandesas decidiram aumentar a estrutura de concreto que protege a usina de Olkiluoto, a primeira em construção na Europa desde Chernobyl. Protegeria a unidade caso um avião fosse jogado em cima dela. A medida aumentou o custo da obra. Muitos países simplesmente não têm escolha. Os riscos reais são subestimados na hora de decidir pela construção de uma usina de energia, diz Cleo Paskal, pesquisadora da Chatham House, instituto britânico de análise de assuntos internacionais. Caso contrário, as medidas de segurança ficariam tão caras que inviabilizariam a obra. “Os riscos são ignorados até o ponto em que passa a fazer sentido construir uma usina em uma área sujeita a abalos sísmicos de grande magnitude”, diz Cleo. É o que pode ter acontecido no Japão. “Boa parte do país é coberta por montanhas, a densidade populacional é alta e a maior parte do território está sujeita a terremotos”, diz o americano Elmer Lewis, professor de engenharia nuclear da University Northwestern, nos EUA. “Não sobram muitos lugares para instalar uma usina.”        
       
Outro fator de risco nuclear não depende de engenharia: é a falta de informação. Foi o que agravou Chernobyl. Milhares de pessoas contraíram câncer porque beberam leite de vacas que pastaram em área contaminada. No Brasil, em 1987, já no período democrático, enquanto 249 pessoas se contaminavam com uma cápsula radioativa de césio 137, em Goiânia, o governo do Estado tentava dizer que era apenas “um vazamento de gás”. Parte da população japonesa também suspeita que as autoridades do país estejam filtrando os fatos. “O governo não está sendo transparente sobre o desastre nuclear”, diz a taxista Yasuko, que vê nas ruas as pessoas fugindo das áreas próximas à usina. “Tenho a impressão de que estou segurando uma bomba atômica.” Essa falta de transparência deverá ficar mais crítica se a expansão nuclear ocorrer, como tudo indica, em regimes autoritários, como a China, a Rússia e o Paquistão.
        Apesar dos riscos, abandonar as usinas é uma escolha difícil. A enfermeira Akiko Nishida, de 42 anos, que na semana passada cuidava de vítimas do terremoto em Sendai, parece entender o dilema. “É preciso repensar a segurança de nossas instalações”, afirma. “Mas o Japão de hoje precisa da energia. Não tem jeito.”
       
       
     
A reportagem completa,com as imagens vocês podem ler em http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI219473-15227,00-DE+HIROSHIMA+A+FUKUSHIMA.html
        

Inscrições Abertas para os cursos Técnicos da ESA de Cajati!

Inscrições Abertas

A ESA de Cajati, está com matrículas abertas para os cursos de Mecânica, Química, Segurança no Trabalho e Meio Ambiente! Com mensalidades que variam em torno de R$200 a R$250, os cursos são alternativas para quem concluiu o ensino médio, ou está concluindo, e busca admissão imediata ao mercado de trabalho, com salários significativos! Pela excelência do curso, a absorção de alunos formados ou cursando tem sido elevada, com cerca da totalidade de formandos em atividade de função! Os telefones para contato são: (013) 38543557 ou cel: (013) 97281363, com o Professor Jair ou administrador Marco Gusson.
Site: http://www.esa-ie.com.br/index.php?action=home
E-mail para contato e informações:  jairdepontes_2005@yahoo.com.br

 

Prédio da Câmara

Dia desses funcionários da Câmara Municipal de Registro trabalharam até madrugada tirando cópias de todas as páginas do processo de licitação para compra do prédio do antigo Itatins pelo valor de R$ 1.480 milhão.
O Ministério Público investiga denúncia de superfaturamento na compra. O Tribunal de Contas avalia se o processo cumpriu as regras licitatórias. Já se fala na possibilidade de devolução do dinheiro pago a mais.
Um fato político inédito marcou essa compra.  Com a polêmica previamente anunciada, a prefeita de Registro – que tem a prerrogativa de comprar imóveis inclusive para o Legislativo – não quis assumir essa responsabilidade. Então encaminhou à Câmara emenda à Lei Orgânica passando à mesa diretora a prerrogativa de compra do imóvel. Ela também alterou o Plano Plurianual (PPA) e a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para incluir a compra do prédio do Itatins. 
Quer dizer, de qualquer forma a prefeita contribuiu para que o prédio fosse adquirido.
As mudanças propostas pela prefeita para viabilizar a compra sem que ela assinasse o ato foram aprovadas com voto contrário do vereador Dito Castro.
Feitas as alterações legais, foi aprovada a compra do prédio com votos contrários dos vereadores Dito Castro e Marcos Portela.
Após  a efetivação da compra, os boatos de superfaturamento espalharam-se pela cidade.  Dizia-se que poucos meses antes o mesmo imóvel teria sido colocado à venda por metade do preço pago pela Câmara.
O vereador Dito Castro, então, levou a denúncia ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas, originando investigações por parte dos dois órgãos.
***
Durante um temporal, em plena campanha eleitoral, o telhado do Itatins desabou, o que me parece natural num prédio velho e sem manutenção.
Candidato a vice-prefeito na chapa da atual prefeita, o presidente da Câmara, Manoel de Aquino, foi à polícia dizendo suspeitar de que o desabamento do telhado havia sido criminoso.
Um factoide eleitoral certamente porque a Câmara contratou por cerca de R$ 80 mil a reconstrução do telhado.
Gastou, ainda, cerca de R$ 90 mil para elaboração do projeto de reforma e adequação do prédio. E segundo consta, o contribuinte de Registro desembolsará mais R$ 3 milhões para construir a nova Câmara.
***
Quando foi presidente da Câmara, na primeira metade do mandato que se encerra, o vereador Dito Castro quis comprar um terreno, no valor de R$ 400 mil, para construir uma nova Câmara. Sua proposta foi rejeitada pois acharam o terreno caro!
***
Só para relembrar. Parece que a compra do prédio do Itatins era uma, digamos, obsessão nesse período que se encerra da vida política de Registro.
Logo no começo da gestão da prefeita derrotada Sandra Kennedy falava-se em comprar aquele imóvel  e–  salvo falha de memória e falta de tempo que inviabiliza pesquisar arquivos – o preço era cerca de R$ 500 mil. A ideia era fazer ali um mirante.

Documentos solicitados pela equipe de transição!

A Comissão de Transição, indicada pelo prefeito eleito Gilson Fantin e coordenada pelo advogado Antonio Matheus da Veiga Neto, solicitou 45 documentos à prefeitura de Registro, por intermédio da advogada Márcia Touni, atual secretária Jurídica da prefeitura e coordenadora da equipe de transição, por parte da administração atual.

O objetivo é que, de posse da documentação, o prefeito eleito tome pé da situação em que se encontra a prefeitura para, a partir de 1º de janeiro, começar o mandato com base na realidade.

Eis a lista dos documentos solicitados em vários ofícios datados em 8 de novembro:


1. Cópia do Estatuto e/ou Plano de Carreira do Magistério (com todas as emendas eventualmente existentes);

2 – Relação contendo todos os empregos em comissão ou funções de confiança de suporte pedagógico bem como os nomes de seus ocupantes;

3 – Relação de outros empregos em comissão eventualmente vinculados à Secretaria Municipal de Educação;

4 – Relação de todos os cargos e nomes de profissionais eventualmente contratados para prestarem serviços nas áreas de pedagogia, psicopedagogia, psicologia, assistência social, etc. e que não mantenham vínculo funcional efetivo com a administração (temporários, terceirizados, etc.);

5 – Informações sobre o processo de atribuição de classes e/ou aulas para o ano letivo de 2013:

6 – Se foi editado ou se será editado ato regulamentador no decorrer do presente ano (decreto, resolução, portaria, etc.). Caso positivo fornecer cópia;

7 – Se há processo seletivo vigente para o ano de 2013 para contratação de professores temporários (caso positivo fornecer cópia do edital);

8 – Se foi finalizado levantamento da demanda (matrículas) para o ano letivo de 2013. Caso positivo informar o número de turmas e/ou classes previstas para cada unidade de ensino, bem como informar sobre a previsão da necessidade de contratação de professores (efetivos e temporários);

9- Se há concurso público vigente para ingresso de professor efetivo (caso positivo fornecer cópia do edital e da classificação);

10 – Fornecer nomes dos atuais membros do Conselho Municipal de Educação e do Conselho do FUNDEB e prazo dos respectivos mandatos;

11 – Se a Prefeitura adotou o sistema de apostilamento, informar a empresa, o método e as justificativas técnicas para a opção.

12 – Relação dos precatórios pendentes de pagamento, destacando os credores, o objeto, a data de constituição, o valor corrigido, e a previsão para pagamento em 2013;

13 – Cópia do Decreto de opção de parcelamento dos precatórios;

14 - Relação das ações em Juízo a favor da Fazenda Municipal;

15 – Relação das ações cíveis e trabalhistas contra a Fazenda Municipal, destacando os nomes, valores, objeto e pé;

16 – Relação das ações civis públicas, de ações de improbidade administrativa ou ações populares em que o Município figure nos polos ativo e passivo, conforme o caso;

17 – Cópia dos balancetes da receita e despesa dos meses de janeiro a setembro ou outubro (mais atual) de 2012;

18 – Cópia dos balancetes da receita e despesa de dezembro de 2011;

19 – Lei de organização administrativa;

20 – Projeto da lei orçamentária para o exercício de 2013;

21 – Lei de Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013;

22 – Lei do Plano Plurianual e suas alterações – 2010/2013.

23 – Lei de Concessão de subvenção, auxílio e contribuição às entidades para o exercício de 2013;

24 – Cópia do Balanço patrimonial de 2011;

25 – Relatório e cópia das leis de alterações feitas no Código Tributário a serem implantadas ou regulamentadas no exercício de 2013;

26 – Qual a previsão para os lançamentos e vencimentos de: alvarás de funcionamento, IPTU, Taxas, bem como, os percentuais de reajuste e, quais são os lançamentos de contribuições de melhorias para 2013;

27 - Informar quais as providências que já foram adotadas quanto à contratação de empresas para a emissão de carnês do IPTU, ISSQN e Taxas para o exercício de 2013.

28 - Relatório que contenha dados e nomes de quem representa o Município nos Conselhos, órgãos, consórcios, fundos e Associações;

29 - Relação dos Conselhos Municipais, destacando a área de atuação, nomes dos conselheiros, e a data para as próximas eleições ou designações, bem como, as ultimas 3 (três) atas das reuniões realizadas por cada conselho;

30 – Declaração se há créditos especiais autorizados no último quadrimestre de 2012 e, se os mesmos serão reabertos em 2013, nos limites de seus saldos, incorporando-os ao orçamento de 2013;

31- Relatório da Gestão dos projetos e ações em execução por cada Secretaria e Departamento, bem como, as etapas já cumpridas e as respectivas previsões físicas e financeiras de execução até 31 de dezembro de 2013.

32 – Relação da frota de veículos, máquinas, caminhões e equipamentos por área de atuação

33 – Relação dos convênios em execução, constando o órgão repassador, objeto, valor, empresa contratada, percentual já executado, situação da obra, valor de contra partida, prazo de vigência, prestações de contas parciais e demais informações inerentes ao convenio;

34 – Relação de todos os contratos em vigor, bem como, o objeto e a data de vigência. Exemplo: combustível, licença de uso de software, aluguéis, medicamentos, merenda escolar, terceirizações, consultorias etc.;

35 – Relatório dos pleitos feitos e ainda não concretizados junto aos órgãos federais e estaduais, destacando, o ofício de encaminhamento, a data de envio, o órgão, o objeto, o valor e o andamento de cada pleito

36 - Relação dos cargos em comissão e nomes dos atuais ocupantes, observando se os servidores são também do quadro permanente ou somente comissionados;

37 – Relação dos servidores públicos, constando: cargo/emprego de origem, função que desempenha e o local de trabalho;

38 – Relação dos servidores contratados temporariamente, constando emprego, local de trabalho e vigência do contrato;

39 - Relação dos concursos e processos seletivos realizados contendo os cargos/empregos, nomes dos aprovados, número de vagas, candidatos já chamados e a data de validade;

40 – Relação dos parcelamentos de dívidas da Prefeitura (INSS, FGTS, etc), constando o credor, a data da assinatura da confissão da dívida, período a que se referem, números de parcelas contratada, número de parcelas a vencer, valor atualizado da dívida a vencer e o valor a ser pago aproximadamente e individualmente por ano;

41 – Cópia dos dois últimos atos de reajuste salarial feito aos servidores públicos municipais (empregos permanentes);

42 - Cópia do ato de fixação dos subsídios dos agentes políticos (Prefeito, vice, vereadores e Secretários);

43 – Estudo das perdas inflacionárias (se houver) referente aos salários dos servidores da Prefeitura;

44 - Cópia da Lei Municipal que instituiu o Plano de Carreira dos Servidores Públicos Municipais e da Lei do Estatuto dos Servidores Municipais.

45 - Cópia da Lei Municipal e/ou Decreto onde conste a descrição das atividades dos cargos públicos e condições de preenchimento.
By Blog da Sueli
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

PDF

Print Friendly and PDF